Jô Oliveira, artista gráfico

Pernambucano da Ilha de Itamaracá, passou boa parte da sua infância em Campina Grande, PB, e a adolescência em Aquidauana e Ponta Porã, MS.

 

Foi aluno da Escola Nacional de Belas Artes no Rio de Janeiro, e por seis anos morou em Budapeste, Hungria. Durante seis meses estudou desenho animado no Stúdió Pannónia, e depois frequentou a Academia Húngara de Artes Aplicadas (Magyar Iparmüvészeti Föiskola, hoje conhecida como Universidade Moholy-Nagy de Arte e Design), onde concluiu o curso de Artes Gráficas. Os seus primeiros trabalhos, livros e quadrinhos, foram impressos nos anos 70 na Itália. Publicou também livros na França e Alemanha, e seus quadrinhos tiveram edições na Espanha, Itália, Grécia, Sérvia, Dinamarca, Argentina e Brasil. Jô participou em exposições de ilustração em várias partes do mundo.

 

Além de outros livros que ilustrou, recebeu a indicação de Altamente Recomendável, pelo seu livro de imagens Os Donos da Bola. Seu primeiro livro publicado na Itália, Compare Gatto Impara La Lezione (Compadre Gato Aprende a Lição), fez parte do catálogo e da exposição oficial da Feira do Livro de Bologna.

 

Desenhista de selos postais, criou mais de 50  peças filatélicas para os Correios. Ganhou quatro vezes a medalha Olho de Boi pela criação do melhor selo brasileiro. Por duas vezes recebeu o troféu do melhor selo do mundo , na cidade de Asiago, Itália. Foi agraciado com o Prêmio Tucuxí de Ilustração, o Troféu Carlos Estevão de Humor e o Troféu de Grande Mestre dos Quadrinhos, que lhe foi entregue durante o Festival Internacional HQ-Mix em São Paulo, em 2004.

 

Apaixonado pela cultura popular brasileira, tem procurado sempre referencias no cordel, na xilogravura das capas dos folhetos, nos bonecos do Vitalino, no mamulengo e em diversas manifestações folclóricas.